Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Brasil pode ter até 3 mil mortes diárias em março, segundo fontes governo - Web Radio Nova Independente

Fale conosco via Whatsapp: +55 093 99244-3397

No comando: Madrugada light

Das 00:00 às 05:00

No comando: RECANTO SERTANEJO

Das 05:00 às 07:00

No comando: Domingo top da Nova!

Das 07:00 às 16:00

No comando: Sabadão da Nova

Das 07:00 às 16:00

No comando: CAFÉ COM BENÇÃO

Das 08:00 às 09:00

No comando: Esquenta/ Locutora:

Das 09:00 às 10:00

No comando: VOCÊ QUE MANDA/Locutor:

Das 10:00 às 11:00

No comando: Top Hits/Locutor:

Das 11:00 às 12:00

No comando: JORNAL VIROU NOTÍCIA

Das 13:00 às 13:30

No comando: VELHARIA/Locução:

Das 13:00 às 14:00

No comando: Coração Sertanejo/Locução:

Das 15:00 às 17:00

No comando: Jornada Esportiva da Nova!

Das 16:00 às 19:00

No comando: Jornada Esportiva da Nova!

Das 16:00 às 19:00

No comando: BOTEQUIM SERTANEJO/Locução: ELENILTON BATISTA

Das 17:00 às 19:00

No comando: Super Night

Das 19:00 às 00:00

No comando: Super Noite da Nova

Das 19:00 às 00:00

No comando: A VOZ DO BRASIL/EBC

Das 19:00 às 20:00

No comando: Top Hits Noturno

Das 20:00 às 21:00

No comando: Velharia Noturno

Das 21:00 às 22:00

No comando: Ponto do Amor/

Das 22:00 às 00:00

Brasil pode ter até 3 mil mortes diárias em março, segundo fontes governo

Diversos fatores devem contribuir para tamanha mortandade por covid-19

Redação Integrada com informações do Valor

As próximas duas semanas podem ser o pior momento da pandemia no Brasil, segundo a cúpula do Ministério da Saúde. Segundo fontes próximas ao ministro Eduardo Pazuello, a expectativa é de que haja mais casos e mortes no período, com os óbitos ultrapassando a barreira dos 3 mil. O Brasil vem batendo recordes de mortes diárias, mas até o momento essa projeção parece exagerada. Porém se baseia em vários fatores, inclusive na transmissão atual, em que cada 100 pessoas infectadas transmitem para 113.

O que levaria a esse caos na saúde é o que se chama de “tempestade perfeita”: o alastramento do vírus em todo o país, com variantes mais transmissíveis, impulsionado pelas aglomerações no fim do ano e no carnaval; falta de isolamento social; sistema de saúde colapsado ou próximo disso em diversos Estados; e a falta de vacinas disponíveis, que não foram adquiridas no ano passado. Além disso, a transmissão atual é elevada, sendo que em que cada 100 pessoas infectadas transmitem para 113, segundo a Universidade Johns Hopkins.

A cúpula da Saúde se sente impotente sobre a propagação, mas deve estimular a reabertura de hospitais de campanha nos Estados para ao menos auxiliar no tratamento.

Porém, as projeções da equipe de Pazuello, para médio prazo, são otimistas, pois o processo de vacinação deve acelerar a partir deste mês, com a maior produção do Butantan e da Fiocruz. E, no mês seguinte, abril, devem produzir 1,4 milhão de doses diárias.

Deixe seu comentário: