Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Comitiva visita obras da 1ª grande refinaria de ouro do Pará - Web Radio Nova Independente

Fale conosco via Whatsapp: +55 093 99244-3397

No comando: Madrugada light

Das 00:00 às 05:00

No comando: RECANTO SERTANEJO

Das 05:00 às 07:00

No comando: Domingo top da Nova!

Das 07:00 às 16:00

No comando: Sabadão da Nova

Das 07:00 às 16:00

No comando: CAFÉ COM BENÇÃO

Das 08:00 às 09:00

No comando: Esquenta/ Locutora:

Das 09:00 às 10:00

No comando: VOCÊ QUE MANDA/Locutor:

Das 10:00 às 11:00

No comando: Top Hits/Locutor:

Das 11:00 às 12:00

No comando: JORNAL VIROU NOTÍCIA

Das 13:00 às 13:30

No comando: VELHARIA/Locução:

Das 13:00 às 14:00

No comando: Coração Sertanejo/Locução:

Das 15:00 às 17:00

No comando: Jornada Esportiva da Nova!

Das 16:00 às 19:00

No comando: Jornada Esportiva da Nova!

Das 16:00 às 19:00

No comando: BOTEQUIM SERTANEJO/Locução: ELENILTON BATISTA

Das 17:00 às 19:00

No comando: Super Night

Das 19:00 às 00:00

No comando: Super Noite da Nova

Das 19:00 às 00:00

No comando: A VOZ DO BRASIL/EBC

Das 19:00 às 20:00

No comando: Top Hits Noturno

Das 20:00 às 21:00

No comando: Velharia Noturno

Das 21:00 às 22:00

No comando: Ponto do Amor/

Das 22:00 às 00:00

Comitiva visita obras da 1ª grande refinaria de ouro do Pará

EMPREENDIMENTO

O refino da produção de ouro em território paraense terá impactos em vários setores, como a produção de joias artesanais.

 sábado, 21/08/2021, 10:06 – Atualizado em 21/08/2021, 10:06 –  Autor: Agência Pará

 

Seis meses depois de participar da assinatura de um protocolo de intenções com o Governo do Pará visando promover o desenvolvimento do setor mineral no Estado, a mineradora North Star apresentou nesta sexta-feira (20) as obras da primeira grande refinaria de ouro a ser instalada em território paraense, com tecnologia de ponta e experiência internacional. O empreendimento será instalado em Belém. A visita faz parte do Projeto “Na Fábrica”, desenvolvido pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme).

Empresa brasileira de capital belga, especializada no refino de minerais preciosos, a North Star tem capacidade inicial para beneficiar até 25% de toda a produção anual de ouro do Brasil, que é de 90 toneladas, logo no início do empreendimento. “A verticalização existe, ela está presente, não é mais apenas um projeto; é uma realidade. A obra está aqui, tem dinheiro investido, maquinário sendo preparado, parceria com as mineradoras e a presença do governo, pra gente poder fazer todo esse desenvolvimento. Agora, temos que buscar não só a consolidação, mas a competitividade, para realmente colocar o Pará no centro do mapa de metais preciosos, a nível global”, afirmou o presidente da North Star, Maurício Gaioti.

Legado

O Projeto “Na Fábrica” reuniu uma força-tarefa para garantir a verticalização do ouro em articulação da iniciativa privada com o poder público. “A verticalização do ouro é de fundamental importância para o Pará, que é um grande produtor. E esse é um grande legado que o governador Helder Barbalho está deixando nos quatro cantos do Estado, mostrando o compromisso que as empresas precisam ter”, reforçou o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, José Fernando Gomes Júnior.

“Nós somos um Estado com grande capacidade no setor mineral, e o sindicato está aqui consagrando esse momento, para que a gente estabeleça ainda mais parcerias para atrair negócios no setor de mineração com sustentabilidade, na Amazônia legal”, reforçou Poliana Bentes, diretora executiva do Sindicato das indústrias Minerais do Estado do Pará (Simineral).

Também participaram da visita o presidente do Centro das Indústrias do Pará (CIN/Fiepa), José Maria Mendonça; a diretora-executiva do Instituto de Gemas e Joias da Amazônia, Rosa Helena Neves, instituição que administra o Polo Joalheiro do Pará; o presidente da Câmara Setorial da Mineração, Wilson Antonio Borges; outros representantes da cadeia produtiva mineral no Pará e demais autoridades da comitiva do Projeto “Na Fábrica”.

Protocolo de intenções

Em fevereiro deste ano, grandes empresas mineradoras assinaram um protocolo de intenções com o Governo do Pará, a fim de garantir a verticalização da produção mineral no Estado. “Certamente, viramos a página de sermos apenas um Estado que extrai o ouro e exporta para o mercado nacional. Estamos caminhando para o novo status com a instalação da maior refinaria de ouro do País. Sabemos que o Pará tem a maior produção de ouro da Federação, estando entre os maiores do planeta, e esse passo estratégico contribuirá para que esse ativo mineral traga geração de emprego, renda e organização da cadeia econômica”, destacou o governador Helder Barbalho no ato de assinatura do protocolo.

O protocolo foi acordado com as empresas North Star Participações S/A, Serabi Mineração S/A, Brazauro Recursos Minerais S/A, BRI Mineração LTDA., Gana Gold Mineração S/A e Belo Sun Mineração LTDA.

Água Azul do Norte

Em julho, a comitiva do Projeto “Na Fábrica” também visitou o escritório da BEMISA, empresa de mineração que será instalada no município de Água Azul do Norte, no sudeste paraense. Durante o encontro, foram definidas estratégias econômicas de implantação do projeto de mineração, a fim de fomentar a economia do município e, consequentemente, gerar mais empregos com a lavra de ouro na região.

A empresa realiza pesquisas há quatro anos para a implantação do projeto. A previsão é que o empreendimento gere cerca de 240 empregos diretos na região. Para o diretor de Mineração da BEMISA, Cláudio Fernandes, cada detalhe da instalação da empresa está sendo avaliado com muito rigor. “Estamos começando com o pé direito. Com muito rigor a toda a legislação, todo cuidado com o trabalho e com a cidade. O projeto de mineração traz um impacto positivo, no ponto de vista da geração de emprego, renda e movimentação no entorno, mas a cidade precisa crescer com o projeto. Nossa ideia é que nós possamos crescer juntos”, afirmou.

 

Comitiva do governo do Estado e representantes da mineradora North Star.
 Comitiva do governo do Estado e representantes da mineradora North Star. | Divulgação

Polo Joalheiro

Para quem trabalha diretamente com a criação e produção de joias no Pará, a verticalização da cadeia produtiva do ouro chega como um divisor de águas, que vai permitir maiores investimentos e ampliação do mercado consumidor. Thiago Albuquerque Gama, diretor do Núcleo Tecnológico e Comercial do Instituto de Gemas e Joias da Amazônia (Igama), vê a implantação da refinaria como a materialização de um sonho.

“Ter o ouro verticalizado, dentro do Programa Polo Joalheiro, significa que a gente vai conseguir continuar produzindo nossas joias da forma artesanal ainda, mas abre um leque de possibilidades, como manter de forma mais estruturada essa produção artesanal, mas com a atratividade da indústria como suporte e apoio para a produção artesanal, alavancando essa industrialização dentro do Espaço (Espaço São José Liberto, que abriga o Polo Joalheiro). E abre, ainda, um leque de oportunidades não só na produção e desenvolvimento econômico dessas empresas, mas gera atratividade inclusive para o turismo. Fazendo essa avaliação, a gente tem uma porta aberta para fazer a exportação dessa joia e do ouro que vai sair já em forma de lingotes e chapas para outros países”, ressaltou.

Deixe seu comentário: