Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Estudo revela que coronavírus sobrevive até 28 dias em aparelho celular - Web Radio Nova Independente

Fale conosco via Whatsapp: +55 093 992020015

No comando: Madrugada light

Das 00:00 às 05:00

No comando: RECANTO SERTANEJO

Das 05:00 às 07:00

No comando: Domingo top da Nova!

Das 07:00 às 16:00

No comando: Sabadão da Nova

Das 07:00 às 16:00

No comando: CAFÉ COM BENÇÃO

Das 08:00 às 09:00

No comando: Esquenta/ Locutora:

Das 09:00 às 10:00

No comando: VOCÊ QUE MANDA/Locutor:

Das 10:00 às 11:00

No comando: Top Hits/Locutor:

Das 11:00 às 12:00

No comando: JORNAL VIROU NOTÍCIA

Das 13:00 às 13:30

No comando: VELHARIA/Locução:

Das 13:00 às 14:00

No comando: Coração Sertanejo/Locução:

Das 15:00 às 17:00

No comando: Jornada Esportiva da Nova!

Das 16:00 às 19:00

No comando: Jornada Esportiva da Nova!

Das 16:00 às 19:00

No comando: BOTEQUIM SERTANEJO/Locução: ELENILTON BATISTA

Das 17:00 às 19:00

No comando: Super Night

Das 19:00 às 00:00

No comando: Super Noite da Nova

Das 19:00 às 00:00

No comando: A VOZ DO BRASIL/EBC

Das 19:00 às 20:00

No comando: Top Hits Noturno

Das 20:00 às 21:00

No comando: Velharia Noturno

Das 21:00 às 22:00

No comando: Ponto do Amor/

Das 22:00 às 00:00

Estudo revela que coronavírus sobrevive até 28 dias em aparelho celular

PESQUISA

12 OUT 2020 – 11H22ATUALIZADO 12 OUT 2020 – 12H05

Na Austrália, cientistas descobriram após um estudo recente, que o vírus causador da covid-19, o Sars-CoV-2, pode sobreviver por até 28 dias em superfícies como o vidro de aparelhos celulares, aço inoxidável, vinil e até mesmo notas de papel. Mas, ainda segundo a pesquisa, a principal forma de transmissão continua sendo por gotículas que saem da boca.

A pesquisa realizada no Centro Australiano de Preparação para Doenças (ACDP), em Geelong, descobriu  também que o Sars-CoV-2 sobreviveu por mais tempo em temperaturas mais baixas. O vírus sobreviveu mais nas notas de papel do que nas de plástico e durou mais em superfícies lisas do que em superfícies porosas.

Porém, o experimento foi feito em um ambiente escuro, que anula os efeitos da luz ultravioleta da radiação solar. Peter Collignon, professor de doenças infecciosas da Australian National University, disse que a exposição em locais abertos reduz a vida do vírus nas superfícies.

Deixe seu comentário: