Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Pará é o quinto estado brasileiro que mais exportou - Web Radio Nova Independente

Fale conosco via Whatsapp: +55 093 992020015

No comando: Madrugada light

Das 00:00 às 05:00

No comando: Recanto Sertanejo da Nova!

Das 05:00 às 07:00

No comando: Domingo top da Nova!

Das 07:00 às 16:00

No comando: Sabadão da Nova

Das 07:00 às 16:00

No comando: CAFÉ COM BENÇÃO

Das 08:00 às 09:00

No comando: MICROFONIA/Locutor: Kelvin Oliveira & Vanessa

Das 09:00 às 10:00

No comando: MANDEI BEM/Locutor: Diego Elias

Das 10:00 às 11:00

No comando: ANTENA MIX/ Locutora: Pam Giacomini

Das 11:00 às 12:00

No comando: MÁQUINA DO TEMPO/Locução:

Das 12:00 às 13:00

No comando: JORNAL VIROU NOTÍCIA

Das 13:00 às 13:30

No comando: Nossa Tarde é Show

Das 13:30 às 15:00

No comando: LAÇO DO PEÃO/Locução:

Das 15:00 às 17:00

No comando: Jornada Esportiva da Nova!

Das 16:00 às 19:00

No comando: Jornada Esportiva da Nova!

Das 16:00 às 19:00

No comando: RECANTO SERTANEJO/Locução: ELENILTON BATISTA

Das 17:00 às 19:00

No comando: Super Night

Das 19:00 às 00:00

No comando: Super Noite da Nova

Das 19:00 às 00:00

No comando: A VOZ DO BRASIL/EBC

Das 19:00 às 20:00

No comando: AMOR SEM FIM/Locução:Vanessa Medeiros

Das 22:00 às 00:00

Pará é o quinto estado brasileiro que mais exportou

Elisa Vaz

O Pará exportou cerca de U$ 14,3 bilhões entre os meses de janeiro e outubro, segundo dados do Ministério da Economia, Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), o que representa um crescimento de 11,86% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram exportados US$ 10,14 bilhões. Este resultado coloca o Pará na quinta colocação no ranking dos Estados brasileiros que mais exportaram nos dez primeiros meses deste ano.

De acordo com a coordenadora do Centro Internacional de Negócios (CIN), da Federação das Indústrias do Estado do Pará (Fiepa), Cassandra Lobato, entre os produtos mais exportados entre janeiro e outubro, o destaque é do setor de mineração, que detém 90,36% de tudo que é exportado do território paraense. “Existe um rendimento cada vez maior nesse setor. O diferenciador é o minério de ferro bruto. E também crescemos na exportação por conta de produtos que não eram vendidos antes, como o ferro fundido bruto e o nióbio”, comentou.

Quanto aos pontos percentuais, o item que teve maior crescimento nas vendas entre os dez primeiros meses do ano passado e o mesmo intervalo deste ano, o milho em grãos liderou, com reajuste de 319% no comparativo de exportação. “Isso aconteceu porque temos produzido mais e recebendo mais demanda”, explicou Lobato. Já os principais compradores ficam na Ásia (67,61%), com destaque para a China, seguido pela União Europeia (16,29%), América do Norte (5,87%) e Mercosul (0,04%).

A pesquisa do Ministério ainda falou das importações, que, entre janeiro e outubro deste ano, chegaram em US$ 1 bilhão, com variação de 10,54% em relação aos dez primeiros meses de 2018. Os principais itens comprados pelo Estado foram máquinas e aparelhos para renovação do parque industrial, e também insumos para a indústria. Com este resultado, o Pará fechou o período com um saldo de US$ 13 bilhões, ou seja, a diferença entre a exportação e a importação, ficando em primeiro lugar na lista dos melhores saldos na balança comercial.

Para Lobato, este cenário deve se refletir na manutenção dos empregos na região, assim como na geração de novas vagas e novos contratos para exportação. “As exportações contribuem muito com o Pará, que tem forte perfil minerador. Outros setores também são beneficiados, como o comércio, que se mantém aquecido, e o turismo de negócios, já que pessoas de vêm conhecer. A exportação atrai compradores internacionais. Isso coloca o Pará como uma liderança no panorama nacional, porque estamos entre os cinco maiores do país”, pontuou a especialista.

Com a retomada do crescimento econômico no Estado, no entanto, Lobato ainda aguarda a implementação de política eficiente no Pará quanto à logística, para resultar em mais exportações. “Temos muita dificuldade de escoamento, a logística é difícil”, disse. Ela ainda destacou que todo mercado é bem vindo.

Deixe seu comentário: